Justiça de Goioerê decreta prisão de ex-policial militar acusado de envolvimento em roubo

O juiz Christian Palharini Martins, da Vara Criminal de Goioerê, expediu mandado de prisão preventiva contra o ex-policial militar Sérgio Maciel de Matos, acusado de ter envolvimento com roubo. O crime teria ocorrido em maio deste ano, na PR-180, perto do quilômetro 226.

Segundo consta na denúncia do Ministério Público, Sérgio Maciel de Matos, juntamente com Ailton Neto de Oliveira e Valdecir Garcia Dantas, “cada um colaborando de forma definitiva para a execução do ilícito abaixo narrado, mediante grave ameaça exercida pelo emprego de arma de fogo, e valendo-se restrição de liberdade das vítimas, subtraíram para ambos um veículo GM/Cobalt, placas QQM2515/MG, bem como uma mala contento roupas, sapatos, perfumes, aparelhos de telefone celular e outros eletrônicos (Boletim de Ocorrência de fls. 05/11e Auto de Avaliação de fls. 65).”

A Promotoria afirma que os denunciados transitavam pela PR, com um Toyota Corola, quando interceptaram o veículo Cobalt, onde estavam as vítimas.

“Na ocasião, os denunciados desembarcaram do TOYOTA/Corola e efetuaram disparos de arma de fogo nos pneus de GM/Cobalt, vindo a render as vítimas na sequência.

Após, os denunciados conduziram as vítimas até um milharal existente nas proximidades, onde as mantiveram restritas de liberdade e subtraíram o GM/Cobalt e os diversos bens que estavam em seu interior, evadindo-se na sequência”, consta na denúncia do MP. “.Encetadas diligências, as vítimas vieram a reconhecer posteriormente os denunciados como sendo os autores do crime”, complementa.

Inicialmente, o poder judiciário acatou o pedido de prisão cautelar dos denunciados Ailton e Valdecir, mas negou o pedido referente a Sérgio. No último dia 17, a Justiça mudou sua posição.

“A prova de materialidade restou trazida em descrição no boletim de ocorrência, relatos minuciosos das vítimas e autoridades policiais que participaram das diligências investigativas a indicar a existência do crime objeto de apuração. No tocante à autoria, neste momento com a prova apresentada, há indícios suficientes em desfavor não só de Valdecir e Ailton como apontado em momento anterior, mas também de Sérgio”, consta no despacho do juiz, ao receber a denúncia da Promotoria.

O juiz destacou ainda que “os próprios contornos da conduta narrada, com concurso de agentes, arrebatamento de múltiplas vítimas em local ermo, emprego de armas de fogo, subtração de bens de valor expressivo e até mesmo notícia de reiteração de prática de conduta da mesma natureza pelos mesmos investigados, são extremamente graves, indicando não só grau de engenhosidade e audácia dos agentes a indicar não só desprezo em razão de eventual consequência penal mas até aparente desembaraço em tais ações a indicar até mesmo possível envolvimento anterior com prática de outros crimes similares como bem narra a autoridade policial, sendo a prisão cautelar indispensável para obstar nova prática de atos ilícitos, inclusive para que restaurando a tranquilidade não só vítimas durante a colheita da prova mas também de toda a população em geral, afastando o clima insatisfação e impunidade instalado, enquanto os supostos autores permanecem soltos”.

Na decisão, o magistrado manteve as prisões cautelares de Ailton e Valdecir e determinou que fosse expedida a prisão preventiva contra Sergio, que foi excluído da Polícia Militar há cerca de 15 dias.

Denúncias que possam levar a Sérgio, devem ser repassadas pelo telefone 190.

(Fonte: Umuaramanews.com.br)

Veja o mandado de prisão expedido:

Compartilhe!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*