Fifa confirma que Havelange e Teixeira receberam propina

A Fifa divulgou nesta quarta-feira um documento para confirmar que os brasileiros João Havelange, ex-presidente da entidade, e Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF, receberam suborno da ISL, que faliu em 2001. O anúncio da entidade acontece no mesmo dia em que o Supremo Tribunal da Suíça ordenou a liberação dos documentos que revelavam os nomes dos dirigentes que aceitaram propina da empresa de marketing.

Segundo o processo, Teixeira recebeu US$ 13 milhões (em valores atualizados) entre 1992 e 1997 da ISL, enquanto Havelange ganhou US$ 1 milhão (também em valores atualizados) em 1997 da empresa de marketing em troca de vantagens no processo de venda dos direitos de transmissão da Copa do Mundo.

Em nota oficial divulgada no seu site, a Fifa comemorou a decisão dos nomes dos envolvidos terem se tornado públicos e da confirmação de que a entidade não está diretamente envolvida com o escândalo, nem o seu atual presidente – Joseph Blatter -, mas “apenas dois dirigentes estrangeiros”.

Nesta quarta-feira, o Supremo Tribunal da Suíça decidiu que a liberação dos documentos, solicitados por órgãos de imprensa sobre a investigação criminal, encerrada em maio de 2010, eram de interesse público. Quando o caso foi finalizado, os dirigentes envolvidos, que agora se sabe que são Teixeira e Havelange, pagaram 5,5 milhões de francos suíços sob a condição dos seus nomes não serem revelados.

Inicialmente, a Fifa ajudou com a manutenção dos documentos em anonimato, mas decidiu abandonar o caso no final de 2011. A decisão do tribunal foi publicada no site oficial da entidade nesta quarta-feira. O documento possui 42 páginas e detalha os pagamentos feitos a Havelange e Teixeira pela ISL.

Havelange foi presidente da Fifa por 24 anos antes de ser sucedido por Blatter na1998. O dirigente, de 96 anos, continua sendo presidente de honra da Fifa. Nesse ano, ele ficou longo período internado em um hospital no Rio em razão de uma infecção bacteriana.

Membro do Comitê Executivo do Comitê Olímpico Internacional por 48 anos, o dirigente renunciou ao seu cargo em dezembro de 2011 alegando problemas de saúde, dias antes da abertura de uma investigação contra ele.

Já Teixeira renunciou neste ano aos cargos de presidente da CBF e do Comitê Organizador da Copa do Mundo de 2014. E ele também deixou o Comitê Executivo da Fifa, alegando razões pessoais e problemas de saúde que não foram especificados. Atualmente, Teixeira vive nos Estados Unidos, em Miami.

Compartilhe!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*