Conselho autoriza Samu a alterar jornada de trabalho dos servidores

Em assembleia que terminou ao início da tarde desta sexta-feira (3), o conselho deliberativo do Consórcio Intermunicipal de Urgência e Emergência do Noroeste do Paraná (Ciuenp) a fazer a alteração na jornada de trabalho dos servidores do Samu das regionais de Umuarama, Campo Mourão e Paranavaí.

Tal decisão foi tomada depois de verificado – segundo a diretoria do Samu – que ações trabalhistas estão sendo movidas por servidores contra o Consórcio, em função da aquisição de horas extras trabalhadas acima de 12 horas trabalhadas (servidores que trabalham mais de 8 horas ininterruptas tem direito a receber o excedente em horas extras).

O atual turno é de 12 horas trabalhadas por 60 horas de descanso. A alteração fará com que os servidores trabalhem 6 horas por dia em seis dias da semana. Um dia de folga cairá de acordo com a escala das equipes.

Conforme Almir de Almeida, presidente do Samu, a diretoria conseguiu uma ‘base’ para negociação com os sindicatos, uma vez que seus representantes se manifestaram contra a decisão, em um tipo de ‘piquete’ em frente ao anfiteatro do Hospital Uopeccan – onde acontecia a reunião do Ciuenp na manhã desta sexta-feira.

“O conselho autorizou a mudança da carga horária, e vamos iniciar as conversas com os sindicatos na próxima segunda-feira (6), à partir das 14h, ocasião em que pretendemos nos ajustar com os servidores”, comenta Almeida.

Segundo o presidente, a autorização para a mudança não determina que ela seja efetivada. “Pode ser que a alteração não seja feita. Vai depender das negociações entre a diretoria do Samu e os servidores. Nós temos a autorização para mudar, mas vamos tentar manter um consenso para que as alterações satisfaçam as duas partes”, encerra o presidente.

Nove dos dez prefeitos que integram o conselho deliberativo do Ciuenp e compareceram à assembleia, assinaram a autorização pela modificação na jornada de trabalho, mas deram, segundo o presidente, respaldo para qeu a direotira inicia uma mesa de negociações, desde que não afete as finanças do consórcio.

(Fonte: Obemdito.com.br)

Compartilhe!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*